sexta-feira, 15 de junho de 2012

esta noite um dia há-de acabar.

Ás vezes sinto-me sem ar, sem conseguir que o oxigénio chegue aos pulmões e me faça viver. Ás vezes eu sei que só sobrevivo e isso, ás vezes, é triste. Ainda não aprendi a relativizar as coisas que não compreendo, não consigo, ás vezes, fazer com que certos momentos passem por mim como uma brisa que não me deita ao chão. Para mim, há sempre ciclone, tufões e furacões e tornados. E, ás vezes, é muito triste viver só com tempestades dentro de mim.

3 comentários:

Chicolaiev disse...

Lua, inspira, expira e relaxa... sei que é mais facil dizer que fazer, mas passa por isto...
Pede um conselho a uma criança... elas simplificam as coisas!

Sabor Adocicado* disse...

Todos nos sentimos assim por vezes.. Ou, pelo menos, todos aqueles que sentem, que se importam... Sempre invejei algo naquelas pessoas que não se afeiçoam a nada, que não se inquietam com nada. Mas a verdade é que prefiro ser assim.. Sofrer com corpo e alma e ser feliz com corpo e alma tbm

Inês e Mafalda disse...

amei ...