terça-feira, 9 de fevereiro de 2010

Carta XXXI

Hoje vou devolver-te a um passado...

O sol espreitava no sótão do seu quarto...trespassava o cortinado de cor chocolate, aquecia os seus pés no fundo da cama...abre os olhos de cor terra, aprecia aqueles primeiros raios de calor...o pouco que aqueceria o seu dia.

Levanta-se a custo da cama...mira-se ao espelho e denota os efeitos de uma noite mal dormida, de horas de um despertar...A água tinha pressão e fazia uma pequena massagem nos ombros, sempre gostara de banhos demorados e hoje aquela névoa de vapor conseguia ser mais clara que o seu pensamento.

Finalmente conseguira ver o quão diferente eram. A diferença nem estava na maneira de pensar, mas sim na maneira como se viam um ao outro. Existe uma expressão, sabes (?) que diz que "se o amas não destruas o que tens como certo, se não amas...vai". Não, eu já não te amo. O amor não magoa e magoada foi o que me fizeste sentir. Hoje, pela primeira vez, vou dizer-te que não, embora tenha consciência que essa palavra me magoa mais a mim do que a ti... mas já não te espero mais.

Já tinha pensado algumas vezes. Mil e outras já tinha tomado a decisão. Tinha retirado tudo das estantes, limpo todo o pó, tinha visto com clareza todas as entrelinhas, e a decisão rapidamente lhe sussurrara ao ouvido. Mas coração não tem orelhas...nem tão pouco consegue ver.

Houve tempos em que ela pensou, se debateu com a decisão que preferia não ter de tomar. Às vezes mais vale desistir do que insistir, esquecer do que querer, arrumar do que cultivar, anular do que desejar. O adeus dói mais a quem não esqueceu. Viajara entre o sim e o não, sem certezas. Adorava conseguir ficar. As memórias eram vivas e de cores intensas e amantes. Mas talvez não consiga. Nunca quisera partir, mas talvez fosse a atitude a tomar. Enquanto pode, enquanto não é tarde demais. Talvez até já o seja. Sempre existira algo de errado...e cada vez mais errado. Surgia sempre algo prestes a ceder. Ela.

Hoje seria diferente. Já tinha desistido de esperar, e a vida teimava em não a deixar adormecer. Acordou frenética neste dia e olhou em redor e já não tinha o seu sabor. O seu coração já não mais batia da mesma forma.O que fazer? O que fazer quando do nada, nada resta? No ar poderiam surgir duvidas, mas havia um resgate maior em causa. O resgate dela, da sua vida. Mais leve, fácil, simples e melhor.

São os pequenos detalhes que definem quem somos. E eles tinham tantos detalhes...

Hoje ela quer um abraço seu, fumar um cigarro com ele, tipo o cachimbo da paz.

Há um proverbio alemão que a leva a ter opiniões ambíguas... "uma vez não chega, uma vez é nada". Sente que a sua história foi vivida de uma vez, de um trago só. Existem coisas que se faz uma única vez na vida mas será que seria bom termos a oportunidade de as vivermos novamente? Sentir tudo mais uma vez... o conhecer, o primeiro olhar, a primeira picardia, a primeira conversa, o toque, o abraço apertado no final de uma longa noite. Esses primeiros momentos que eternamente queremos guardar...A vez deles foi plena...e vivê-la de uma outra forma seria mudar o que de melhor deram de si, a sua essência.

Anoitecera cedo, e um manto breu cobriu a estrada. Chegara a hora de ela se arranjar uma última vez. De ter todo aquele ritual de citrinos e aromas eufóricos. Hoje decidira não levar os seus cabelos de caracóis de menina mimada, esticou-os de forma a que o ar mais adulto e sério lhe desse força de não ceder. Não pensara em discursos, em palavras ocas metodologicamente estudadas. Mais uma vez queria sentir a espontaneidade do seu contacto. Ela sabe que ao olhar-lhe nos olhos irá ver um filme perfeito, com um argumento delicioso e de momentos inesqueciveis. Sabe que essa curta metragem a irá secar a garganta, a irá comover...mas é hora de abalar. Ela irá pedir para ele partir, ele assim o fará.

Sabes onde é o amor? Eu sei...
já me levaste lá!


Por Ilusão.


_________________________
Obrigada por mais uma contribuição! :)

3 comentários:

katie. disse...

Clap, clap, clap, clap.

(isto podia ser sobre mim...)

AquiloQueEuSou disse...

Gostei muito! :)

muito bem!!!!

*

sonhosdeumarapariga disse...

Era capaz de pegar em algumas partes e escrever a minha história!
Está muito bem escrito!
Parabéns.

Bjinhoo