quinta-feira, 8 de abril de 2010

Carta XXXVII

Lembras-te do dia que nos conhecemos? Eu lembro-me. Lembro-me como se tivesse sido hoje mas já lá vão seis anos. Lembro-me do teu sorriso rasgado quando nos encontramos, dois estranhos, no fundo eramos estranhos ainda pois não nos conheciamos pessoalmente mas apenas de um mundo "virtual".... lembro-me de parecer uma tontinha que falava sem parar... Sabes que quando estou nervosa, sou assim.... falo, falo, falo sem parar... e tu sempre muito caladinho. Tão caladinho que no final do encontro dei comigo a pensar que nunca mais sairia contigo, pois eu simplesmente não me indentifico com "pessoas caladas". Mas tu insististe, com teu modo calmo de ser, conseguiste despertar em mim algo de bonito, algo que nunca mais voltei a sentir... mas depois (porque tem sempre que haver um mas na minha vida) foste embora e eu cá fiquei, porque não me levaste contigo??? A vida tem sido tão cinzenta sem ti, tão sem graça. Tanta gente que entrou, tanta gente que saiu mas ainda ninguém ocupou teu lugar. Nem vai ocupar. Pois o teu lugar será sempre teu, pois tenho todas as nossas memórias tão presentes e o facto de teres um dia feito parte da minha vida me faz ver que valeu a pena.... voltaria a abrir meu coração para ti. Até hoje não conheci ninguém como tu.
Muitas vezes me dizias que sou forte, que querias ter a minha coragem, a minha garra para enfrentar as dificuldades da vida. Mas não sou não. Eu sofro, posso não demonstrar mas sofro imenso. Sou uma mulher - menina que viu a sua vida desmoronar-se por completo quando te perdi. Sempre me disseram que o tempo cura tudo, que a dor ia passando. Mentiram-me. Não passa não. Dói sempre, uns dias mais que os outros mas dói sempre. Hoje dói, dói imenso.... quero que seja amanhã para ver se não dói tanto, se não me lembro tanto de ti.
Se bem que não preciso de uma data específica para me lembrar de ti. Lembro-me nas alturas mais inesperadas, lembro-me nos dias em que estou triste, lembro-me nos dias em que me sinto mais feliz. Porque pessoas como tu merecem ser recordadas, anjos que vêm á terra cumprir uma missão e partem, partem prematuramente, mas partem levando sempre um bocadinho de nós. É isso que penso que agora és. Um anjo que aí de cima toma conta de mim. Sinto a tua presença, sinto a tua força quando mais preciso. E é nestas recordações maravilhosas que vou encontrando as forças para continuar sobrevivendo para um dia ir ter contigo.... Esperas por mim?




________________________________
Obrigada à menina da carta pela partilha.
E ainda tenho algumas atrasadas mas vai ser tudo postado, não se preocupem.:)

7 comentários:

Sophie disse...

Sou como tu, quando estou nervosa.
Falo e não me calo.
Depois digo precisamente isso.
E após uns momentos de reflexão, calo-me mesmo.
Mas depois volto a falar.
Sempre!

Eehhe

Adorei a carta.
Beijoo *

Poetic GIRL disse...

Olha olha a minha cartinha ;) obrigada por a teres postado... beijocas

Loucuras de e por amor disse...

Muito bonita, sem dúvida! Nas primeiras linhas revi a minha história!
Também falo muito, imenso mesmo e quando fico nervosa perco o "piu" e gelo!
Kisses

Jo disse...

arrepiou-me

Eli disse...

Fico a pensar se seria capaz de partilhar algo assim...

:)

Sofia disse...

Muito bonita... e sim, ele deve estar por ali, a esperar por ti. beijinho*

Tela Rosa disse...

Que linda esta carta ..:)