terça-feira, 7 de junho de 2011

ou não vale?

Cheguei à conclusão que eu não tenho emenda. Não tenho mesmo. Já não tenho paciência para o meu
-ah, aprendi tanto com o passado e não volto a fazer isto ou aquilo.
Não aprendi, pessoas. Eu sou um poço de erros e de remembers. Cada vez mais tropeço mais e com vinte cinco anos devia era preocupar-me em arranjar um emprego decente, uma casa, um carro, um namorado para a vida, ganhar juízo e deixar-me de loucuras. Mas é a isto que eu chamo viver. As maluqueiras, os fins-de-semana, os copos, as horas a passarem, os segredos, as músicas que nos lembram sítios e pessoas. E sou tão adolescente que ninguém tem noção! 
Mas tudo vale a pena. Pode ser por uma noite, por uma hora. Pode ser por um segundo mas vale a pena sermos felizes.

10 comentários:

Alexandre disse...

Aproveita a vida. Afinal, é só uma ;)

Ana disse...

Claro que vale a pena! :D
A casa, o carro e o emprego de pouco valem se não fores feliz...

mónica* disse...

vale sim!

Cat disse...

Lua, acho que somos tão parecidas nisto que nem imaginas. Podia ter escrito isto. É que eu... tu não imaginas. Não imaginas os disparates todos, o álcool, a infantilidade! :o (ou se calhar imaginas!)

A minha irmã que tem 5 anos a menos do que eu e também não deve pouco à loucura RALHA COMIGO! :o

Mas sabes, no fim da noite, no fim do dia, acho sempre isso. Que valem os momentos, valem os risos, os disparates, as coisas que nunca nos vamos esquecer. É isso que fica. Não é o estar em casa a ver a novela.

Beijiiinho

Lua Escondida* disse...

Querida Cat,

a minha irmã que é mais noca que eu quatro anos também ralhava comigo. acho que agora é pior que eu. mas sim, é isto tudo que fica, estes momentos todos, estes disparates - e que disparates!

e sabes? é tão bom não ver novelas :)

Lila* disse...

;)

Tu vais ser sempre assim;) E desde que sejas feliz...não há problema;)

Sofia disse...

Era tu saberes as parvoeiras que eu faço e sentias-te logo mais crescida e normal :P

Zé Carlos disse...

"Quando chegamos ao fim da vida não nos resta nada, excepto as cidades que visitamos, os corpos que amámos, as canções que ouvimos, as pessoas que conhecemos e os momentos que vivemos..."

Uma vez mostraram-me esta frase e desde então lembro-me dela várias vezes, é bom querer ter segurança/estabilidade, mas a vida oferece-nos demasiadas possibilidades, para deixarmos que ela passe por nós, sem a tentarmos aproveitar sempre mais um bocadinho.
Continua a ser quem és, se são já 25 anos de experiência de uma vida feliz, não podes estar enganada :D

Christian disse...

Quantas pessoas com emprego decente, uma casa, um carro, um namorado para a vida, juízo (a pior coisa que existe) e tão infelizes. A vida precisa de loucura para se viver, não sobreviver.

Comichãozita disse...

Há coisas que não se aprendem... felizmente... ;)