quinta-feira, 30 de setembro de 2010

o problema é eu querer saber demais.

Voz da razão - Lua, para a próxima está quietinha no teu sítio. Não queiras saber mais do que é suposto e, consequentemente, magoar-te (ainda) mais do que o que foi é suposto. Já passou, tá?
Lua - Não, não passou. Está sempre aqui. Sempre. O que aconteceu ontem ou há dois meses ou há quatro ou há sete ou há um ano. Está sempre tudo aqui.   

8 comentários:

Mafalda disse...

dsc.... mas eu faria tuas as minhas palavras neste post tb!!!!!

temos sp o condão de achar q já passou... e damos conta que o que estamos a fzr é a rodar um bocadinho mais a faca na ferida que já estã bem funda....na realidade somos um bocado masoquistas....*

Anónimo disse...

há cura para esse problema? sinto-me como tu... como as tuas frases fossem minhas

Fénix disse...

O coração "absorve" muito bem a mágoa... Infelizmente..

Kisses*
Fénix*

Miss Daisy disse...

Porque o que importa não é realmente o tempo que passa, mas como o nosso coração reage :) *

Cat disse...

Oh querida, sabes que tens de sair dessa, não sabes?

Sofia disse...

mas que grande merda, ó Lua... está sempre, sempre tudo lá não é? como te percebo... =/ mas um dia vai deixar de estar não é? não é...?

lau' disse...

Oiii...:)
Gostava de ter a tua opinião, conta muito para mim!

http://lau-lisephotography.blogspot.com/

Obrigada :)

Zé Carlos disse...

Está e vai continuar a estar...

Acontece sempre ao contrário daquilo que queremos, quanto mais tentamos esquecer, deixar de pensar ou lembrar de alguma coisa ou de alguém, menos o conseguimos! Parece de propósito, mas acontece mesmo assim, a cada nosso esforço para não lembrar, o "mundo" responde de mil e muitas formas contrárias à nossa vontade, todas as músicas nos levam para aquele lugar, os perfumes trazem-nos sempre a mesma pessoa, as cores lembram sp os mesmos momentos, todos os carros passam a parecer todos iguais e iguais aquele que não queremos ver e até as pessoas parecem todas perguntar ou falar pela e na pessoa ou situação que não queremos saber...
Se somos constantemente obrigados a fazer um para não pensar ou lembrar.
Até que um dia, de repente, do nada, sem que se possa quase dar por isso, o primeiro pensamento do dia, não é para aquela pessoa, não é naquela situação e sem darmos conta o tempo passou e para nos lembrarmos da pessoa ou situação, temos agora que fazer um esforço contrário ao inicial, obrigamos-nos a pensar numa cor, numa música,num perfume, em algo que nos recorde um lugar, um momento, algo a que associamos depois à tal pessoa...

Acontece com toda a gente, acontece mais ou menos da mesma forma.
Custa, demora, mas passa... tudo passa :-)