sexta-feira, 17 de abril de 2009

Manifs

Ainda me estou a rir. Eu sei que o assunto é sério, era uma manifestação a lutar pelos Direitos das Crianças, mas não tenho culpa. Imaginem o que é ver meia dúzia de pessoas acorrentadas por um pé e arrastarem a corrente de cada vez que um tambor toca. Pum, um passo. Pum, um passo. Pum, um passo. E as pessoas muito concentradas, até que se ouve a voz de uma mulher a fazer um lindo discurso sobre a escravidão das crianças no mundo e tal. Depois, pum outra vez, mais um passo. E mais outro e mais outro até a voz esganiçada da mulher começar a falar outra vez. E a população a passar e a ficar a ver. Parecia quando há obras e toda a terceira idade vai ver como estão a correr, o que está hoje que não estava ontem ou então um acidente em que toda a gente tem de ver com quem foi e opinar sobre quem teve culpa. E agora uma perguntinha para os senhores das correntes: e aquelas duas criancinhas com ar de enfadadas e de quem-não-estava-a-gostar-muito-daquilo que seguravam um dos cartazes gigantes na vossa manif? Queriam estar mesmo lá ou obrigaram-nas (como quem diz, escravizaram-nas)?

3 comentários:

Frida* disse...

Ah! Muito bem dito :))*

Paulo disse...

gosto dessas manifs convictas, assim é que é!

Martina S' disse...

ahahaha o texto está demais xD

Se calhar até estavam obrigadas, tadinhas. Parece como aqueles anúncios onde as crianças são pagas para lá ficarem ou então aqueles para encher uma sala quando o Sócrates tem de fazer publicidade cultural (trabalho infantil, ou não? (a))