quinta-feira, 19 de março de 2009

Agradecia-vos

Este post não é mais que um pedido a todos os gays e lésbicas de Barcelona para que se beijem quando me virem a passar. Antes de continuar, tenho de dizer que sou uma menina da aldeia, nascida e criada num pedacinho de terra até aos dezoito anos, altura em que entrei na faculdade e fui viver para o Porto. Ora, como vocês sabem, ou então não mas eu vou explicar, na aldeia não há gays. Na aldeia, os meninos dão beijos as meninas e as meninas aos meninos. E não há prostitutas, há vacas apenas (e são aquelas que pastem no campo), não há raptos (pois pois, eu conheço três) e também se casa virgem e essas coisas todas que são uma treta. Por isso, até aos dezoitos anos eu sabia o que era um gay de ver e ouvir na televisão. Quando me mudei para o Porto se vi dois ou três casais de gays/lésbicas, em quatro anos, foi muito. Mas agora estou em Barcelona e Barcelona é um mundo à parte. Aqui sim, já vi muitos e, confesso, que ao início me fazia um bocadinho de confusão apesar de eu não ser nada contra, aliás, tive bastantes discussões com o meu pai sobre esse assunto, visto ele ser um bocadinho quadrado nestas questões. O que eu quero é, então, que isto de ver gajas com gajas e gajos com gajos se torne uma coisa normal, como ver um namorado a beijar uma namorada (não aqueles todos melosos, horríveis, esses não suporto). E podem levantar-se as vozes dos moralistas e dizerem que eu estou a ter um comportamento discriminatório. Eu respondo: não, não estou! Eu estou apenas a adaptar-me a uma nova cidade, a pessoas completamente diferentes, a vivências distintas, a outras mentalidades. E falo dos casais homossexuais como falo das raparigas que andam vestidas de meias-calças e camisola (sem saia), das pessoas que não têm mais nenhum sítio onde pôr um piercing, do gajo chique que anda com uns sapatos que, para mim, são umas pantufas e que até acredito que tenham sido muito caros mas para mim continuam a ser umas pantufas, das mulheres que usam lenços a tapar o cabelo, das inglesas que andam quase nuas, dos homens que usam turbante, das miúdas que bebem redbull ao pequeno almoço, etc, etc. Primeiro estranha-se e depois entranham-se! E eu estou entre os dois! Por isso, habitantes/visitantes de Barcelona: quando acordarem de manhã e pensarem hoje vou passar pela Lua, vistam o que de mais estranho têm no guarda-vestidos, passeiem com os vosso namorada/o e quando passarem por mim, sorriam. E eu vou saber que estão ali por mim, para me ajudarem e que, no fim, eu vou ser uma pessoa completamente diferente, não lésbica porque eu gosto bastante de homens mas, com certeza, uma pessoa melhor. Obrigada.

7 comentários:

Nokas* disse...

Ainda me lembro de quando fomos a Barcelona e realmente em 5 dias vimos varios casais gays a demonstrar afectuosamente a sua tendencia =)
Mas acho que é mesmo uma questao de habito: aqui ninguem (ou quase ninguem, diria mesmo ninguem na minha vilazinha) se atreveria a ter tal comportamento, mas as pessoas precisam de abrir horizontes. E é verdade que ao principio é estranho, isso é, nao vou dizer que nao, mas depois é tudo uma questao de aceitação: Barcelona é a cidade para se ser feliz, por isso gays/hetero/lesbicas/bi sejam felizes =)

Sophia disse...

Adoro vir ler as tuas coisas :p
Confesso que estou no meio da realidade gay, não que eu seja, porque também gosto muito de homens, mas tenho amigos e pronto, e ainda agora algumas coisas me fazem um bocadinho de confusão :p


<3

Vera disse...

=) É essa mistela de coisas que faz das grandes cidades o que elas são. Dá aquela magia! =)

Beijinho*

L. disse...

O teu post serviu para eu sorrir e me lembrar de quando saí da terrinha e me deparei com essa mesma realidade.

É como dizes: primeiro estranh-se mas depois entranha-se.

beijinhos

Frida* disse...

Umas grandes vidas, portanto..sabes que em Braga aquilo ainda é um bocadinho provinciano e não se vê assim dessas coisas :))

Um beijinho*

AnaSininho disse...

Gostei muito do blog. Sou novinha neste meio, se puderes passa no meu espacinho.


Um Beijinho.*

Contosonhosemti.

Paulo disse...

Olá :)

"Senti" o teu post, lol, eu uma criança da aldeia, um rapaz simples de mente inocente fui estudar para Lisboa, que já tinha bastantes gays e lésbicas, um deles até se ofereceu para me... pronto... e eu simpaticamente disse-lhe que me sentia lisonjeado pelo convite, mas que não me sinto tentado.

Kiss.
Paulo.


P.S. Excelente post.